Não existe um processo padronizado para criar e por em prática um empreendimento. De fato, na literatura existente sobre o assunto podem ser encontrados processos que variam desde os três passos até complicados diagramas de fluxos que desencorajam mesmo o mais otimista. Assim, com base em tudo isso, podemos resumir um empreendimento em poucos passos para fazer você se sentir um pouco mais confortável com a ideia, sem deixar de entender que a compreensão de que cada parte do processo é fundamental e requer tempo, paciência, recursos, decisões e muita pesquisa (Eu mencionei paciência?).
 
Além disso, é fundamental que o empreendedorismo esteja protegido por propriedade intelectual como veremos mais à frente. Se não temos nossa criação devidamente protegida, tudo pode desmoronar se outra empresa ou pessoa se apropria dela. Felizmente você é um empreendedor esclarecido, caso contrário, você não estaria lendo isso.
 
 Passos para conduzir um empreendimento:
 
1. Visualização da ideia
 
Alguns autores chamam de "fase empreendimento” ou "fase inicial", mas o fato é que você já sabe o que isso significa: ainda que você não tenha dinheiro, nem estrutura, nem nada. Certamente você não tem claro o nome da empresa, mas pelo menos você já sabe que quer fazer algo: empreender. Que seja fazendo os melhores bolinhos da galáxia ou montando uma estética para ajudar a moldar os melhores corpos do Verão, mas a ideia você já tem, embora ainda não saiba muito bem como fazê-lo, você está determinado a se tornar um empreendedor com todas as letras. Até aqui é apenas um sonho sem execução, mas você se encargará de torná-lo uma realidade. Por enquanto, você pode começar a pensar em um modelo de negócios, um nome adequado para registar sua empresa e nomear seu produto ou serviço em uma identidade gráfica que represente- os e como você vai obter os recursos necessários para levar esse projeto até o fim.
 
 
2. Criação da empresa
 
 Aqui é quando você já decidiu, já tem o capital mínimo para começar, uma ideia aterrissada, um nome de empresa para registrar e, provavelmente, um organograma mínimo no qual você mesmo irá desempenhar vários papéis. É quando a propriedade intelectual entra em jogo: não só para registrar sua empresa no sentido legal, mas também deve proteger o nome comercial que você escolheu para ela, seus produtos e / ou serviços. Porque a última coisa que você quer é trabalhar duro para que mais tarde um terceiro se aproprie de sua marca e a credibilidade que você conseguiu lograr com ela. Isso inclui proteger o logotipo ou identidade gráfica. Supõe-se que nesta etapa seu negócio ainda não começou a funcionar, mas você está lidando com a resolução de toda a burocracia relevante, de modo que quando finalmente começar não tenha problemas que fará você voltar a esta fase. É importante que, depois de registrar o nome de sua empresa e suas marcas, reserve também nas redes sociais para que você possa mais tarde usá-las para impulsionar o seu negócio. Se a sua empresa necessitar de um local ou escritório, a fim de funcionar, este é o tempo para encontrar o espaço, tomar as medidas adequadas para adquiri-lo ou arrenda-lo e tomar todas as providências necessárias para estar pronto na próxima fase.
 
3. Desenvolvimento de Produto
 
Esta fase pode variar dependendo do tipo de empresa que você constituiu. Se for uma empresa de serviços, a esta altura você já deveria ter tudo pronto para abrir e começar a oferecer sua proposta. Mas se seu empreendimento inclui o desenvolvimento de produtos, é neste momento em que você começa a trabalhar nisso. Isto é, quando você desenvolve e testa o software no qual havia estado trabalhando ou aperfeiçoa aquele produto que vai revolucionar e mudar a vida de muitas pessoas. Antes mesmo começar a gerar vendas, o seu capital vai ser o seu recurso mais valioso neste momento.
 
Se você estiver trabalhando em um protótipo de um novo produto, revolucionário, você definitivamente deve pensar na Propriedade Intelectual para patenteá-lo, para que mais tarde você possa explorá-lo comercialmente e tirar não só o crédito por tê-lo desenvolvido, mas também as vantagens comerciais que possam advir.
 
 
4. Dia da prova de fogo
 
Obviamente, esta fase não é nomeada assim, mas é uma maneira dramática de dizer que a partir daqui, não deverá haver volta. Este é o dia em que você abre as portas de seu negócio de bolinhos ou vende o seu primeiro produto que você desenvolveu. O fato é que você está completamente envolvido no mundo do empreendedorismo e agora começa o bom. É aqui, quando você precisa recuperar o capital investido para comprar suprimentos, pagar impostos, salários e um monte de coisas que fazem você se sentir pressionado. Então respire mantenha a calma e conte com os recursos que você e sua equipe considerem adequados para impulsionar as vendas que tanto precisam.
 Nesses tempos, muito poucas coisas acontecem fora do website e redes sociais. Então use-as para impulsionar as vendas da sua empresa! Você já tem o nome registado no Facebook, Twitter, Instagram e / ou Pinterest. Lembre-se que, com base aos direitos de autor nas redes sociais devem atender aos mesmos preceitos que no mundo 1.0: respeitar a autoria de conteúdo gerado por terceiros e ter cuidado com a imagem que projetamos da nossa empresa nas redes. Uma vez que algo é publicado, não há como voltar atrás, por isso, antes de usar as redes de seu negocio recente, defina a linguagem e a estratégia de comunicação com um Community Manager, busque gerar seu próprio conteúdo e imagens, ou, em último caso usar conteúdo protegido com licenças Tipo Creative Commons.
Você vê, o empreendimento e a propriedade intelectual devem andar de mãos dadas para garantir o sucesso de uma parte vital do processo. Por isso, é essencial conhecer o alcance dos nossos direitos e obrigações como criadores para poder tirar todo o potencial de nossas ideias.
 
Boa sorte com o seu empreendimento!