Uma das tarefas mais complexas na definição de um novo produto é decidir como se chamará. Um bom produto ou serviço com um nome ruim poderia ir direto ao fracasso. O oposto também funciona.
Uma das tarefas mais complexas na definição de um novo produto é decidir como se chamará. Um bom produto ou serviço com um nome ruim poderia ir direto ao fracasso. O oposto também funciona.

 

Para colocar o nome em um produto ou serviço deve-se considerar uma série de elementos, não só do ponto de vista de marketing, mas também devem ser considerados aspectos que permitam a efetiva proteção da sua marca através do seu registo.

Como definição, a função primordial do nome de uma marca é diferenciá-la dos seus concorrentes e torná-la reconhecível e única para os consumidores. É por isso que também se chama "signo distintivo" para distingui-lo dos outros produtos ou serviços semelhantes.

 Se, por exemplo, o nome é muito genérico ou descritivo do produto como "Pasta Comprida" ou contendo termos como "Plus" ou "Light" a marca não diferira das outras nem será concedido pelo Instituto de Marcas e, portanto, você nunca será proprietário nem poderá capitaliza-lo dentro da sua estratégia de marketing.

 O que queremos dizer com isso? Queremos dizer que pensando no nome de sua marca, essa não teria por que, nem deveria descrever o produto, pois não vai ser registrável. Você poderia usar o nome genérico, mas qualquer um poderá copiá-lo e usá-lo sem que você possa fazer algo em contra.

Os 5 fatores a considerar para nomear uma marca são:

1. Originalidade. Não copie outro nome. E melhor, faça com que seja nova e divertida.

2. Distintiva. A marca deve fazê-lo único, não de um, mas de muitos. Não deve descrever o produto.

3. Recordação. Fácil de lembrar e nomear ou ler em qualquer idioma. Um nome complicado por si só faria com que a sua marca fosse chamada de muitas maneiras.

4. Comprimento. Uma palavra curta é sempre facilmente lembrada.

5. Correta. Não deve ofender em qualquer idioma, ou ter conotações racistas, religiosas, sexistas ou políticas.

 

Como um bom exemplo de bons e maus nomes, talvez um dos melhores de todos os tempos é parte de nossa vida diária. A Apple, uma palavra que todos nós sabemos significa maçã em Inglês, como uma marca define um produto que não cresce em árvores, não se come, não é redondo nem vermelho, nem verde, nem se compra em supermercados e, menos ainda, é guardada na geladeira. Uma das marcas mais reconhecidas no mundo da tecnologia de hoje tem o nome de uma fruta. Existem diferentes versões sobre por que Steve Jobs deu-lhe esse nome, mas o que é certo é que ele descreve o produto em tudo. Um dado interessante, o valor da marca Apple está agora avaliado em US 118,863 $ milhões.

Fonte: http://bestglobalbrands.com/2014/ranking/ em Interbrand. 

 Agora que você sabe isso, sente-se, inspire-se, escreva 5 ou 10 possíveis nomes e comece a trabalhar neles. Vire as palavras, intercale letras, corte-as em dois, brinque com elas e coloque muita fantasia e imaginação. Informe-se sobre o seu produto na Internet, é sempre útil.

 Agora, nós adoraríamos ouvi-lo nos comentários abaixo.

O que você costuma fazer para escolher o nome da sua marca?

Ou, se você passou por esta experiência e tem uma história ou uma aprendizagem a compartilhar, por favor, fazê-lo em nossos comentários. Dê-nos o máximo de detalhes possível, porque muitas pessoas vêm aqui todas as semanas para uma dose de inspiração e apoio.

 
Diferencie-se!