As novas tecnologias nos permitem ascender a quantidades quase infinitas de informações e nos comunicar com outras pessoas muito além dos limites do espaço e tempo.
As novas tecnologias tornaram possíveis novas formas  de comercialização, que se conhecem  como negócio online (o comércio eletrônico, o “e-commerce”), que se entende tal como a compra e venda de produtos, ou de serviços, por intermédio de meios eletrônicos,  tal como a internet ou outras redes informáticas.  
 
O comércio eletrônico nos permite realizar compras a qualquer momento e em qualquer parte do mundo, de forma cômoda, ágil e rápida. Não obstante, também envolve  inconvenientes e perigos, no que tange à Propriedade Industrial e Intelectual.  
 
Inicialmente, quando  se lançaram em nosso país as novas tecnologias,  diziam que sua implantação  poria em perigo  os direitos da propriedade industrial e intelectual, obrigando a  reformulação de alguns deles. Chegaram a questionar, inclusive,  se esses tipos de direitos poderiam sobreviver a todas essas mudanças. 
 
Com o perpassar  do tempo, constatamos que o uso das novas tecnologias  caminham a passos largos, constituindo, hodiernamente,  uma ferramenta imprescindível  para a empresa e que a propriedade industrial e intelectual  soube adaptar-se a elas.  Demais, o empresário espanhol foi-se conscientizando  da importância que uma proteção adequada proporciona  aos negócios de seus ativos da Propriedade Industrial e Intelectual. 
 
Como é de conhecimento geral,  somente uma boa proteção de nossos ativos assegurará  o êxito para a defesa de nossas concepções.  Agora, mais do que nunca,  é indispensável proteger nossas marcas, nossas patentes, nossos desenhos, nosso domínio técnico  (know-how), nossos  direitos de autor,  etc. Não obstante,  ao mesmo tempo, se faz mister  tomar  precauções com o uso de nossas página da Web, a fim de evitar a violação de  direitos  de terceiros, e devemos empenhar-nos para  satisfazer, rigorosamente,  às  normas vigentes.   
 
A título de exemplo,  poderíamos fazer as seguintes perguntas:
 
-  Possuem um contrato de criação da página web?
-  Sabem como proteger os conteúdos, que  se inserem em uma web?
- Têm protegido sua marca? 
- Estão autorizados a usar a fotografia que aparece  em sua página? 
- Têm projetado uma política   sobre o gerenciamento de domínio? 
- Têm incluído advertências em sua web, instruindo sobre o uso correto dos conteúdos    de sua página ?   
- Introduziram alguma estratégia de proteção global  de seus direitos da propriedade intelectual?   
 
Confirmamos  que são muitas  as perguntas   pertinentes,  quando    entabulamos um negócio online.   É de mister saber  identificar quais são os direitos de propriedade industrial e intelectual, a fim de proteger, adequadamente, nossas criações, bem como evitar os direitos  exclusivos de terceiros. 
 
À luz do exposto, é necessário que não pairem dúvidas que a tecnologia que usamos não lesione direitos de patentes, que nossos  nomes de domínio não  violem direitos de marcas,  assegurando que o  conteúdo  de nossa web não vulnere direitos do autor,  entre outras  muitas questões.