O avanço tecnológico e o desenvolvimento no sector da publicidade permitiram novas formas de comunicação entre as empresas e os consumidores sem que a legislação tenha evoluído à mesma velocidade.

Nesse sentido surgiram as marcas não-convencionais, cuja forma não se enquadra na classificação trivial como “denominativa”, “figurativa” ou “mista”.